22 de outubro de 2015

Dicas para a prova de Ciências Humanas 04

Como eu havia dito no último post, aqui estou eu trazendo mais dicas para a prova de ciências humanas do Enem. Vamos lá!!


 ESTADO E DIREITO 

Competência de área 3 – Compreender a produção e o papel histórico das instituições sociais, políticas e econômicas, associando-as aos diferentes grupos, conflitos e movimentos sociais.

Desde 2009, quando o ENEM adotou uma nova forma, essa habilidade representa aproximadamente 34% da prova de Ciências Humanas; portanto, a maior parcela. O examinador utiliza as habilidades abaixo como um guia ao fazer a questão.

H.11 - Identificar registros de práticas de grupos sociais no tempo e no espaço.
H.12 - Analisar o papel da justiça como instituição na organização das sociedades.
H.13 - Analisar a atuação dos movimentos sociais que contribuíram para mudanças ou rupturas em processos de disputa pelo poder.
H.14 - Comparar diferentes pontos de vista, presentes em textos analíticos e interpretativos, sobre situação ou fatos de natureza histórico-geográfica acerca das instituições sociais, políticas e econômicas.
H.15 - Avaliar criticamente conflitos culturais, sociais, políticos, econômicos ou ambientais ao longo da história..
As questões filosóficas que embasam a organização do Estado estão muito presentes em diversas questões. As questões sobre direito natural de Locke, Hobbes e Rousseau representam a base dessa competência: “Por que o homem abre mão da liberdade em favor da formação do Estado?” e “Qual modelo de  Estado comtempla os anseios dos grupos humanos em diferentes épocas?”.

Aqui encontramos o maior espectro de temas tradicionais do ensino de História e que tem grande relevância no ENEM, principalmente os movimentos sociais, suas ideais e mobilizações.
Para o que serve o Estado? É para conter a violência e regular o convívio entre os homens ou a existem para a manutenção dos poderes das classes dominantes?
E o Direito? Organiza a sociedade e distribuiu a justiça de forma igualitária ou serve de instrumento de dominação?

A intensificação das discussões políticas pelas redes sociais pode reforçar a necessidade de conhecer a constituição dos “3 poderes de Estado”, suas funções básicas e suas inter-relações e, no caso brasileiro, é preciso lembrar que no Império, tínhamos um quarto poder constituído, o poder moderador.

No entanto as rupturas de estruturas políticas não estão necessariamente vinculadas a processos revolucionários ou a rebeliões populares, principalmente na História do Brasil. As grandes mudanças institucionais como a Independência e, posteriormente, a Proclamação da República não foram produtos de revoluções, mas devem ser compreendidas a partir dos interesses de grupos sociais envolvidos.




Como estudar:
É importante lembrar que as comparações históricas são muito comuns e, quanto à Independência, as comparações com outras nações americanas se destacam, seja com os Estados Unidos, ou com países da América Espanhola.

Do ponto de vista mais tradicional, quando o estudo se desenvolve com um livro didático ou apostila, esses temas são abordados em capítulos diferentes e muitas vezes os estudantes não fazem as conexões / comparações pertinentes.

No caso brasileiro, o período republicano é subdividido a partir de critérios políticos, assim como os momentos de transição. Os termos usados em nossa História são: “República da Espada”; “República das Oligarquias”; Revolução de 30”; “Populismo” e assim por diante.
Note que das 5 habilidades da Competência 3, apenas a primeira exige “identificação”, portanto mais presa ao conhecimento; as demais exigem análise, comparação e avaliação. Em muitos casos a confecção das questões toma por base um ou dois textos, portanto, a leitura atenta e a capacidade de entendimento são fundamentais.

Uma das questões mais importantes e polêmicas se referem ao modelo de Estado liberal e democrático e suas bases filosóficas e jurídicas. Para compreender as características sociopolíticas contemporâneas, vale a pena compreender o significa da Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão produzida no início da Revolução Francesa e a Declaração dos Direitos Humanos da ONU.



EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA

Competência de área 4 - Entender as transformações técnicas e tecnológicas e seu impacto nos processos de produção, no desenvolvimento do conhecimento e na vida social.

Desde 2009, quando o ENEM adotou uma nova forma, essa habilidade representa aproximadamente 16% da prova de Ciências Humanas. O examinador utiliza as habilidades abaixo como um guia na hora de fazer a questão.

H16 - Identificar registros sobre o papel das técnicas e tecnologias na organização do trabalho e/ou da vida social.
H17 - Analisar fatores que explicam o impacto das novas tecnologias no processo de territorialização da produção.
H18 - Analisar diferentes processos de produção ou circulação de riquezas e suas implicações sócio espaciais.
H19 - Reconhecer as transformações técnicas e tecnológicas que determinam as várias formas de uso e apropriação dos espaços rural e urbano.
H20 - Selecionar argumentos favoráveis ou contrários às modificações impostas pelas novas tecnologias à vida social e ao mundo do trabalho.

O conhecimento do desenvolvimento tecnológico é a base dessa competência, porém não se limita apenas a descrever os processos produtivos e as ferramentas utilizadas, mas de que forma esse desenvolvimento ocorreu ao longo do tempo e como impactou a organização ou a transformação das sociedades.

Muitos autores em seus livros na área de ciências humanas se utilizam de conceito marxistas para compreender esse processo. A ideia de “modo de produção” procura abranger diversas sociedades dentro de um modelo que é definido pala relação das classes sociais com os meios de produção. Nesse sentido podem surgir questões que se baseiam na ideia de exploração de uma determinada classe social, sejam os plebeus romanos, os servos medievais ou os operários contemporâneos.
Portanto é possível que existam questões que envolvam a ideia de “luta de classes”, na qual os donos de terras e das máquinas / indústrias são responsáveis pela exploração de trabalhadores braçais.


Como estudar:
É importante identificar as características da tecnologia aplicada à produção, as classes sociais envolvidas no processo e ter a capacidade de comparar de que forma a tecnologia se alterou ao longo do tempo, remodelando sociedades em suas estruturas, criando novas contradições, disputas, desemprego e grandes deslocamentos populacionais.

Começa pela Revolução Agrícola na pré-história, quando grupos humanos se sedentarizam e aprendem a produzir na terra. A partir de então surgiram ferramentas aplicadas à agricultura, utilizadas durante séculos, em grande parte substituídas por máquinas apenas no século XX.

A Produção industrial em suas diferentes etapas também é cobrada no ENEM. Desde a produção artesanal, passando pela manufatura, para culminar com a Revolução Industrial - destaca-se aqui o processo de exploração do trabalho infantil e da mulher. Ao mesmo tempo tem-se a preocupação de compreender as lutas sociais e as novas ideologias (socialismo e anarquismo) que surgem, estimulando a organização de sindicatos.

No que se refere às tecnologias aplicadas à produção, agrária ou fabril, espera-se que o estudante faça a análise dos fatores que explicam seu impacto no processo de territorialização da produção, analisando também os diferentes processos de produção ou circulação de riquezas e suas implicações sócio-espaciais.

O capitalismo, com suas características expansionistas e a necessidade de integrar novos mercados, sempre entendidos como fornecedores de matéria-prima tanto de origem agrícola como mineral; suas consequências sociais, notadamente da África no século XIX, são pensadas e valorizadas no exame. O mesmo ocorre com  as duas grandes guerras e a crise de 1929, marcos do capitalismo / industrialização.

Mais recentemente, o aumento da automação industrial, a globalização e as tecnologias da informação, que voltam a modificar as formas de relacionamento em todo o mundo.



DEMOCRACIA E CIDADANIA 

Competência de área 5 - Utilizar os conhecimentos históricos para compreender e valorizar os fundamentos da cidadania e da democracia, favorecendo uma atuação consciente do indivíduo na sociedade.
Desde 2009, quando o ENEM adotou uma nova forma, essa habilidade representa aproximadamente 18% da prova de Ciências Humanas. O examinador utiliza as habilidades abaixo como um guia na hora de fazer a questão.
H21 - Identificar o papel dos meios de comunicação na construção da vida social.
H22 - Analisar as lutas sociais e conquistas obtidas no que se refere às mudanças nas legislações ou nas políticas públicas.
H23 - Analisar a importância dos valores éticos na estruturação política das sociedades.
H24 - Relacionar cidadania e democracia na organização das sociedades.
H25 – Identificar estratégias que promovam formas de inclusão social.

O ENEM espera que o estudante conheça os conceitos de cidadania e democracia e tenha habilidade de organizar propostas de participação na sociedade, valorizando estes dois aspectos. É importante perceber como o conceito de cidadania se modificou ao longo do tempo e em diferentes sociedades, num primeiro momento vinculado aos direitos de participação política, em particular através do voto.

Porém o estudante pode e deve pensar o exercício da cidadania não apenas vinculado ao voto, mas aos direitos sociais que foram conquistados ao longo do tempo, como a liberdade religiosa, política e mesmo de imprensa, destacando-se as conquistas das mulheres.
Nesse sentido faz presente o papel dos filósofos da época do Iluminismo e suas proposições de liberdade em sentido amplo, na luta contra o modelo absolutista e as práticas de intolerância predominantes no período anterior.

COMO ESTUDAR
 Nessa competência também aparecem os elementos que eliminaram as liberdades, como os modelos totalitários de governo na Europa e na América Latina, destacando-se o nazi-fascismo, e ainda as práticas de apartheid racial, tanto nos Estados Unidos como na África do Sul.

No caso da História do Brasil, percebemos desde o período colonial as lutas por direitos políticos. Na época do Império destacam-se principalmente organização do Estado e os interesses envolvidos, restringindo direito e poder à elite econômica. Já no período republicano, destacam-se as práticas que limitaram ou eliminaram direitos. Destacam-se caraterísticas como as práticas do coronelismo, os processos de centralização política no início do governo Vargas e as duas ditaduras que foram impostas. Em paralelo, ganharam destaque as lutas sociais por ampliação de direitos, sejam as grandes revoltas como as tenentistas, sejam as greves operárias ou mesmo as pressões institucionais.

No Brasil, ganha destaque ainda as lutas pela redemocratização nas décadas de 70 e 80 e a  Constituição de 1988,denominada de “Constituição Cidadã” e os direitos que foram concedidos à grupos sociais até então marginalizados através do Código de Defesa do Consumidor, do Estatutos da Criança e do Adolescente, do Idoso, da Igualdade Racial e das Cidades, conquistas decorrentes da regulamentação da Constituição de 1988, podem ser lembrados, inclusive como tema da redação.

Um dos aspectos que chama a atenção é a preocupação com o papel da imprensa na vida política. Entendida como “o quarto poder”, teve ao longo da História um papel de destaque desde o Império, com as críticas ao governo de D. Pedro I, destacando-se no movimento abolicionista e posteriormente nos anos 20, já na Primeira República, com o jornal o Estado de S. Paulo fazendo forte oposição às elites agrárias que controlavam o poder.

O papel da Carlos Lacerda e de diversos veículos de comunicação também tem destaque na crise do populismo e na articulação do golpe militar de 1964. Tratar do papel da imprensa implica na discussão de comportamentos e prática éticas e da existência ou não de limites para a liberdade de expressão.


SOCIEDADE E NATUREZA

Competência de área 6 – Compreender a sociedade e a natureza, reconhecendo suas interações no espaço em diferentes contextos históricos e geográficos.

Desde 2009, quando o ENEM adotou uma nova forma, essa habilidade representa a menor parte da prova de Ciências Humanas. O examinador utiliza as habilidades abaixo como um guia na hora de fazer a questão.

H26 – Identificar em fontes diversas o processo de ocupação dos meios físicos e as relações da vida humana com a paisagem.
H27 – Analisar de maneira crítica as interações da sociedade com o meio físico, levando em consideração aspectos históricos e (ou) geográficos.
H28 – Relacionar o uso das tecnologias com os impactos socioambientais em diferentes contextos histórico-geográficos.
H29 – Reconhecer a função dos recursos naturais na produção do espaço geográfico, relacionando-os com as mudanças provocadas pelas ações humanas.
H30 – Avaliar as relações entre preservação e degradação da vida no planeta nas diferentes escalas.
Nessa competência os elementos geográficos se destacam. Hoje predomina o entendimento de que a Geografia tem como objeto de estudo o espaço geográfico, percebido atualmente como a materialização da dinâmica ação das sociedades sobre a natureza e das imposições naturais sobre as mesmas.

A compreensão da sociedade e da natureza, por meio de suas interações, salienta a necessidade de o estudante compreender os conceitos históricos e geográficos de modo integrado e não fragmentado.

Isso significa a necessidade de se compatibilizar as relações entre sociedade e natureza, para se compreender os principais problemas e criar possibilidades de soluções no que se refere a relação entre preservação e / ou degradação da vida no planeta em diferentes escalas.

O estudo conjunto das ciências humanas acerca do desenvolvimento social ao longo do tempo e sua relação direta com o meio físico possibilita entendermos de que maneira os elementos geográficos limitaram as ações humanas e como esses limites foram alterados, levando-se em consideração as imposições de determinados interesses sociais, e seus impactos ambientais.

Como estudar

Interessa ao ENEM perceber a capacidade de análise crítica da ocupação do espaço pelo homem e os desequilíbrios consequentes desse processo, principalmente no que se refere ao processo de urbanização sem planejamento e a ocupação de áreas rurais em grandes escalas pelo agronegócio sem um estudo de impacto ambiental e uma política de governo que minimize seus efeitos.

Ao mesmo tempo exige conhecimento e habilidade para a formulação de ações propositivas, ou seja, a compreensão de alternativas, principalmente no que se refere aos recursos energéticos, hídricos ou termoelétricos, ou ainda relacionados à energia solar e às reservas de petróleo. Em todas essas situações é importante ter conhecimento das políticas de Estado adotadas nos últimos anos.

Bom, por hoje é só pessoal.
Espero ter ajudado. Bons estudos! :)



COMENTE PELO BLOG!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Que bom que você chegou até aqui! ♥
Deixe a sua opinião, sugestão, críticas, elogios...
Se for blogueira, deixe o link do seu blog pra eu poder visitá-lo.
Se me seguir, avisa que eu terei o enorme prazer de seguir de volta. :)
Volte sempre!

Páginação - Não altere este gadget!