22 de outubro de 2015

Dicas para a prova de Ciências Humanas 03

Olá pessoal, tudo bem com vocês nessa reta final do enem? Tá na porta hein?! hahaha
Há quem diga que na semana do enem o ideal é descansar. Eu digo que o ideal é revisar! (não apedrejem)
Bom, eu trouxe dicas de Ciências Humanas mais uma vez para vocês!
Quem não acompanhou os outros posts, não tem problema, é só clicar aqui e aqui !!

São dicas do Cláudio Recco, que como eu já expliquei no primeiro post, são disponibilizadas em um grupo do whatsapp!

Vamos lá! Saaaangue no Olho! rs



CULTURA E IDENTIDADE

Competência de área 1 – Compreender os elementos culturais que constituem as identidades.
Desde 2009, quando o ENEM adotou uma nova forma, essa habilidade representa cerca de 20% da prova de Ciências Humanas. Isso significa que o examinador utiliza as habilidades abaixo como um guia na hora de fazer a questão.

H1 – Interpretar historicamente e/ou geograficamente fontes documentais acerca de aspectos da cultura.
H2 – Analisar a produção da memória pelas sociedades humanas.
H3 – Associar as manifestações culturais do presente aos seus processos históricos.
H4 – Comparar pontos de vista expressos em diferentes fontes sobre determinado aspecto da cultura.
H5 – Identificar as manifestações ou representações da diversidade do patrimônio cultural e artístico em diferentes sociedades.
.
 Esta competência exige, principalmente, conhecimentos de História, Filosofia e Sociologia e tem como objetivo superar o simples uso de conceitos estudados e relacionados aos fenômenos propostos nas questões.

A compreensão dos elementos culturais formadores de identidades tem como objetivo valorizar os diversos elementos formadores da cultura nacional, destacando sua pluralidade e, ao mesmo tempo, faz com que ela se “molde” e ganhe espaço no cenário mundial.
Na prática isso significa valorizar as características do Brasil, em comparação com outras nações, sendo que devemos entender o Brasil como produto de culturas diferentes e misturadas, todas elas importantes, nenhuma delas superior ou inferior à outra, ou seja, destaca as contribuições que as culturas indígenas e africanas deram na formação de uma “cultura nacional”, desde seus primórdios, complementada posteriormente por imigrantes de diversas regiões

Como estudar:
O patrimônio cultural de um povo não é composto apenas por elementos materiais, mas também através de manifestações da cultura imaterial, ele é constituído de práticas, representações, técnicas, objetos e o ambiente.

Num mundo que valoriza cada vez mais o individualismo, o ENEM reforça o papel social que cada indivíduo tem dentro de seus grupos. A importância das Ciências Humanas é reforçada a partir da questão: Quais valores levam as pessoas a sentirem-se parte de um grupo social?
Língua, tradições, costumes, festas, dentre outras manifestações, podem aparecer relacionadas às questões de formação da identidade nacional do povo brasileiro, sempre considerando a miscigenação ou ainda aspectos regionais, porém de conhecimento nacional, como o caboclo, o caipira ou o sertanejo.

De que maneira as celebrações religiosas ou profanas formam nossa cultura?
Como os feriados e procissões religiosas; o futebol, o samba, o carnaval, a capoeira se tornaram e são considerados referenciais da nacionalidade brasileira?

Ao valorizar a multiplicidade de origens e manifestações culturais, o ENEM parte do pressuposto de que cada aspecto é dotado de riqueza e que NÃO HÁ superioridade de uma manifestação sobre outra. A cultura de origem europeia- de portugueses ou outros grupos imigrantes – não é superior às culturas dos povos africanos ou nativos.

Gostou? Então continue lendo! :)


FRONTEIRAS E CONFLITOS SOCIAIS 

Competência de Área 2 – Compreender as transformações dos espaços geográficos como produto das relações socioeconômicas e culturais de poder.

Desde 2009, quando o ENEM adotou uma nova forma, essa habilidade representa cerca de 11% da prova de Ciências Humanas. O examinador utiliza as habilidades abaixo como um guia ao fazer a questão.

H6 - Interpretar diferentes representações gráficas e cartográficas dos espaços geográficos;
H7 - Identificar os significados histórico-geográficos das relações de poder entre as nações;
H8 - Analisar a ação dos estados nacionais no que se refere à dinâmica dos fluxos populacionais e à resolução de problemas de ordem econômico-social;
H9 - Comparar o significado histórico-geográfico das organizações políticas e socioeconômicas em escala local, regional ou mundial;
H10 - Reconhecer a dinâmica da organização dos movimentos sociais e a importância da participação da coletividade na transformação da realidade histórico-geográfica.
 .
Podemos considerar que essa é a competência que dá maior destaque aos elementos geográficos e à geopolítica. Apesar do termo “geopolítica” ser utilizado sistematicamente nas duas últimas décadas, podemos, e devemos pensá-la ao longo do tempo.

Como são formadas as fronteiras? Elas são resultado da identidade dos povos ou foram estabelecidas de forma violenta, por meio de conquistas e/ou trocas comerciais?
O aluno precisa compreender que as fronteiras das nações não foram definidas ao acaso, mas sim por conflitos, disputas e conquistas.

Quando se diz que “a História é o estudo do homem no tempo”, rompe-se com a ideia de que a História deve examinar apenas e necessariamente o Passado. O que a História estuda são, na verdade, as ações e transformações (ou permanências) humanas que se desenvolvem em um determinado período. Tem-se aqui o estudo de certos processos que se referem à vida humana e esses processos envolvem grupos sociais e seu desenvolvimento, não apenas no tempo, mas no espaço.

 Como estudar:
É necessário saber ler – interpretar – um mapa, identificando os continentes e principais países, além de Estados brasileiros. A leitura de mapas e o reconhecimento dos principais conflitos relacionados a território e posse da terra é o principal conteúdo cobrado nessa competência.

Se pensarmos no período colonial do Brasil, é possível descrever a ocupação econômica de diversas regiões, a localização dos engenhos, a região mineradora, as ações dos bandeirantes, as invasões estrangeiras, para citar alguns exemplos. Em todos eles a utilização de representação cartográfica é fundamental, mesmo porque em todos eles encontramos mobilidade, ou seja, as ações humanas se expandiram no território ao longo do tempo.

Praticamente impossível estudar a história romana na antiguidade sem a utilização de mapas; assim como a expansão muçulmana no período medieval. Como tratar de colonização da América do Norte e sua posterior expansão para o interior ou o desenrolar da Primeira Guerra Mundial sem a análise cartográfica?

Atualmente temos questões sociais (com o MST e as ligas camponesas no Brasil). É necessário conhecer os principais fluxos migratórios no Brasil e no mundo e compreender o que tem deslocado populações de países pobres para países desenvolvidos, incluindo suas consequências.

Diversas questões abordarão as transformações geopolíticas dos Estados, em diferentes momentos da História ou ainda as mudanças sociais ou culturais, fruto de deslocamentos populacionais, que tenham contribuído para novas realidades.


Obs: Para não tornar o post muito grande vou parar aqui, postarei em seguida mais dicas!
Confira aqui!

Espero ter ajudado! 2bjs! :*



COMENTE PELO BLOG!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Que bom que você chegou até aqui! ♥
Deixe a sua opinião, sugestão, críticas, elogios...
Se for blogueira, deixe o link do seu blog pra eu poder visitá-lo.
Se me seguir, avisa que eu terei o enorme prazer de seguir de volta. :)
Volte sempre!

Páginação - Não altere este gadget!